Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

15 de Setembro - Festa da Exaltação da Santa Cruz


“A cruz de nosso Senhor Jesus Cristo deve ser a nossa glória: nele está nossa vida e ressurreição; foi ele que nos salvou e libertou”(Cf. Gl. 6,14).

Celebramos hoje uma festa muito importante no seguimento cristão: a EXALTAÇÃO DA SANTA CRUZ. “Enquanto o Mundo gira a Cruz permanece de pé”. Cruz que representa a nossa fé. Cruz que simboliza a nossa doce salvação. Cruz que uniu o céu a terra e a terra ao céu. Cruz que nos torna companheiros de Jesus no nosso itinerário de salvação. Cruz que simboliza o amor absoluto de um Deus Pai que envia seu Filho, em prova de absoluta doação, para nos amar e por amor morrer no Madeiro da Cruz.


Celebrar a Exaltação da Santa Cruz é relembrar que é na cruz e na doce entrega de Cristo que deve residir nossa força, porque ela é fonte de vida e fonte de salvação. Não a cruz em si, mas todo o evento salvífico, que se iniciou na paixão, passou pela morte e culminou na ressurreição. Tudo isso é a motivação maior da nossa esperança e da nossa vida.


A origem da festa que celebramos remonta à dedicação das basílicas do Gólgota e do Santo Sepulcro, constituídas pelo Imperador Constantino, em 13 de setembro de 335, sendo que no dia imediato se mostrava os restos da Santa Cruz.


A celebração da Santa Cruz é celebração de Nosso Senhor Jesus Cristo. É relembrar o evento da paixão, da morte e da ressurreição de Cristo, lembrando que celebramos a fonte que jorra a salvação para toda a humanidade. Significa celebrar o Cristo vitorioso sobre o pecado e a morte. Mais do que tudo isso é celebrar a transfiguração do ser humano em Filho de Deus.


(..)Quando Jesus nos pede para que para segui-lo é mister abandonar tudo, renunciar a si mesmo, tomar a sua Cruz e Segui-Lo tem que ter presente sempre o sofrimento, a renúncia de seus próprios interesses em benefício de um projeto muito mais amplo, muito mais desafiador, um projeto de Igreja, um caminho de salvação. Caminhando com Cristo, nós com Ele carregamos a sua Cruz, as suas humilhações, os pesos físicos do próprio madeiramento, nos configurando aos mistérios da Paixão do Senhor. 


Por isso a liturgia de hoje nos pede que nós nos configuremos a Cristo, que nós soframos com Cristo, que nós carreguemos a Cruz com o Salvador, para que o nosso sofrimento, a nossa dor, se transforme em alegria, se transforme em festa, se transforme em vitória da graça contra o pecado. Por isso, o sofrimento como meio de redenção em Cristo e o da glória como meta, sempre em Cristo, deve iluminar, por esta festa, todo o nosso agir e a nossa práxis de batizados.


Porque Jesus morreu na Cruz? Esse era o castigo mais atroz contra aqueles que eram considerados subversivos pelos romanos. A própria historiografia romana diz que a Cruz é o “máximo suplício”. Constantino, ao se fazer batizar em 315, aboliu a condenação pela Cruz.

Mas, a pergunta do significado da crucificação se faz necessária no dia de hoje. Quais, afinal, eram as razões para se crucificar alguém? A primeira para castigar o criminoso. E a segunda para intimidar a outros crimes. Tudo isso tinha um ritual. As autoridades judiciárias escolhiam um lugar movimentado por onde aquele que seria crucificado iria passar rumo ao calvário. Depois a crucificação era feita em lugar alto, de grande visibilidade, para servir de corretivo para a sociedade judaica, impondo sob o madeiro a motivação de sua condenação. Chegando ao lugar do suplício o condenado era despido e era crucificado nu. Jesus, por ser judeu, dentro do costume daquele povo que se escandalizava fácil, teve como consolo uma tanga ao baixo ventre do justiciado. Depois de pregar o condenado na horizontal a cruz era suspensa, de sorte que ficava alto para que todos pudessem assistir a condenação fatal.

A moral da história, na linguagem moderna, de hoje é que na festa que celebramos o simbolismo da elevação na cruz como elevação na glória, desenvolvido por são João no Evangelho nos leva a contemplar a cruz de Cristo. Não para recair no dolorismo de tempos idos, quando se pensava que quanto mais sofrimento, mas regalia no céu. E que Jesus teve de sofrer na cruz para “pagar” a Deus. A liturgia de hoje nos ensina a olhar para a cruz com um novo sentido; como manifestação do próprio ser de Deus, que é um Deus Amor. A Cruz não é um instrumento de suplício que Deus aplica a seu Filho – por nossa culpa -, mas o sinal de quanto o Pai e o Filho nos amam – o Filho instruído pelo Pai. Nada de sádica exigência de sangue, só amor até o FIM.

Números 21, 4-9, nos ensina o simbolismo prefigurado no episódio da serpente de bronze que Moisés levantou diante dos olhos dos hebreus para esconjurar a praga das serpentes. O tema de elevação/exaltação, inspirado por Is 52, 13, Servo Padecente, preside também à segunda Leitura(Cf. Filipenses 2,6-11), sendo que aqui a exaltação é contrabalançada pelo rebaixamento no sofrimento infligido àquele que nem deveria considerar apropriação injusta a forma divina. 


Vamos, amados irmãos, mergulhar no mistério, na profundeza do Evangelho de hoje: o dom da vida de Jesus, morrendo por amor fiel até a morte, na cruz, é a manifestação da glória, isso é, do ser de Deus que aparece: pois “Deus é amor(Cf. 1 Jo 4,8-9), a tal ponto que Jesus, na hora de assumir a morte na cruz, pode dizer: “Quem me vê,vê o Pai” (Cf. Jo 14,9).


Qual é, caros irmãos, a conseqüência desta exaltação da Cruz? Se Cristo deu a vida por nós, todos nós somos convidados a dar a nossa vida pelos nossos irmãos. Por isso cantemos na segunda leitura em que Jesus esvaziado como escravo e exaltado como Senhor é o exemplo dos que se reúnem em seu nome, parta que considerem os outros mais importantes que a si mesmos e tenham em si o mesmo pensar e sentir dele.


Para todo ser humano a salvação e a vida passam pela cruz. Não a cruz pela cruz. Mas a cruz como expressão de amor, de realização do plano de Deus, do seguimento de Cristo: “Se alguém quiser seguir-me, renuncie a si mesmo, tome sua cruz e siga-me. Pois aquele que pretender salvar a sua vida, há de perde-la; e quem perder a sua vida por amor de mim, há de encontrá-la” (Cf. Mt 16,24-25).


A cruz é o caminho da vida. Nela se encontra a esperança da vida. Por isso a Igreja proclama e canta: “salve, ó cruz, única esperança”. Ou então: “Nós vos adoramos, santíssimo Senhor Jesus Cristo, e vos bendizemos, porque, pela vossa santa cruz, remistes o mundo!”

Santa Cruz, rogai por nós!

Padre Wagner Augusto Portugal.
Vigário Judicial da Diocese da Campanha, MG

Fonte: Rádio Vaticano

Nenhum comentário:

Pedidos de Oração